Basílica Santuário de Meritxell

A Basílica Santuário de Meritxell, para além do significado religioso que atesoura, é a sede da religiosidade andorrana. A fé e a devoção do povo de Andorra fazem de Meritxell o coração espiritual do país.

Este santuário é um dos expoentes da arquitetura andorrana de final do século XX. O ecletismo monumental de Ricard Bofill enriqueceu a cultura material de Andorra com esta obra representativa, estabelecendo um precedente para a arquitetura contemporânea.

Meritxell é muito mais do que um santuário. É um espaço de paz. Daí a grande importância do claustro aberto para contemplar as montanhas, os prados e os jardins, mas também para poder respirar a tão necessária paz religiosa na nossa sociedade pós-moderna, cada vez mais tensa e agressiva. O Santuário de Meritxell é um lugar de contemplação.

UM CONJUNTO HISTÓRICO DE INTERESSE CULTURAL

O conjunto histórico de Meritxell é constituído por dois edifícios: o antigo Santuário de Meritxell e a Basílica Santuário de Meritxell (o novo santuário), ambos declarados bens de interesse cultural. A presença destas duas edificações representa a continuidade e a renovação constantes do facto religioso e da Igreja enquanto instituição.

HISTÓRIA E LENDA DA ANTIGA IGREJA DE MERITXELL

Para compreender o valor cultural e religioso que alberga hoje a Basílica  Santuário de Meritxell, devemos recuar alguns séculos: o edifício não só esconde uma lenda emocionante, mas também assistiu a várias renovações e a muitos séculos de história!

 

A LENDA DO SANTUÁRIO

Transmitida de pais para filhos, a lenda da Basílica Santuário de Meritxell é uma bela história que não deve deixar de conhecer!

Corria o Dia de Reis quando um pastor, que se dirigia a Canillo para assistir à missa de uma data muito especial, avistou, no local onde hoje se ergue o santuário, a bela imagem da virgem sobre uma roseira brava completamente florida em pleno inverno. Após esta fascinante visão, o pastor decidiu levar a Virgem para a igreja de Canillo, colocando-a no altar-mor e prometendo construir uma igreja para a albergar.

No dia seguinte, ao abrir a porta do templo, o sacristão da igreja deu pela falta da imagem da Virgem; esta reapareceria novamente sobre a roseira brava florida, próximo de Meritxell. Estes acontecimentos fizeram os habitantes de Encamp pensar que talvez a virgem preferisse estar em Encamp, uma vez que parecia não queria ficar em Canillo; e assim, resolveram trancar a imagem com cadeado na igreja da aldeia, prometendo construir uma bela igreja em sua homenagem.

Porém, no dia seguinte os acontecimentos repetiram-se; a virgem tinha desaparecido, para reaparecer sobre a roseira brava. Os aldeões notaram que, embora na noite anterior tivesse caído uma forte nevada, em redor da imagem o arbusto estava completamente limpo.

Perante tais desenvolvimentos, os habitantes de Canillo e Encamp compreenderam que este era o lugar onde a Virgem queria estar e decidiram construir ali uma capela em sua homenagem: a atual Basílica Santuário de Meritxell.

 

A ANTIGA IGREJA DE MERITXELL

Construída num momento indeterminado durante a primeira metade do século XII, era uma capela de origem românica dedicada a Santa Maria. Assim, embora as estruturas visíveis desta obra primitiva sejam limitadas, foram preservados vestígios suficientes para poder imaginar um pequeno templo, com uma estrutura simples e de estilo popular.

Alguns pormenores do antigo templo estão ainda preservados, como a parede oeste, integrada na parede lateral oeste do edifício barroco, e as fundações da abside, descobertas durante as escavações arqueológicas de 1991.

Estes trabalhos revelaram toda a planta do edifício (de nave única) e o alpendre do lado sul, assim como a existência de pelo menos duas camadas de vestígios pictóricos nas paredes da cabeceira. Acredita-se que estes últimos evocavam os temas religiosos populares na época.

O templo erguido em devoção mariana tinha também uma imagem românica da Mãe de Deus no trono com o menino nos braços, datada do século XII, que viria a tornar-se a padroeira de todos os habitantes dos Vales. Quatro séculos depois, com o advento da arte gótica, instalou-se o retábulo dedicado a Santa Maria com uma nova imagem central, mais alinhada com as formas deste estilo.

Por volta de 1658, foi construída a nova igreja barroca, que corresponde em grande parte à atual. Embora esta grande remodelação tenha resultado praticamente num novo edifício, também mantém a construção medieval original. Orientado transversalmente de norte para sul, e com dimensões maiores, destaca-se também um campanário de espadana duplo e um alpendre no lado sul; o interior da igreja encontra-se preenchido por retábulos artisticamente mais profusos, de acordo com o estilo barroco da época.

Durante o século XIX, o templo sofreu uma última reforma da cabeceira que incluiu uma capela-mor para tornar a imagem da Virgem mais acessível aos cidadãos; em 1866, o pintor Josep Oromí, de La Seu d'Urgell, decorou em modo Horror Vacui as paredes internas do edifício com ornamentos Trompe l’Oeil baseados em figurações arquitetónicas e cortinas.

UM FATÍDICO INCÊNDIO DESTRÓI O SANTUÁRIO

Na noite de 8 para 9 de setembro de 1972, um incêndio destruiu grande parte da igreja, incluindo vários documentos originais do santuário, bem como todas as imagens e retábulos, incluindo a talha românica da Virgem.

As ruínas que permaneceram de pé foram finalmente reabilitadas em 1994 e a capela de Santa Maria de Meritxell tornou-se sede da exposição permanente Meritxell Memória.

O edifício que hoje podemos visitar tem uma planta retangular, abside quadrada, telhado de duas águas, campanário de espadana e alpendre adossado à parede sul.

VIRGEM DE NOSSA SENHORA DE MERITXELL

Não é arriscado afirmar que a história de Andorra sempre andou de mãos dadas com a Virgem de Meritxell. O Principado não se percebe sem a sua virgem, e vice-versa. A renovação da fé e da fidelidade à padroeira está presente com os dois santuários (o antigo e o novo) do conjunto religioso de Meritxell, perfazendo uma ponte entre o passado e o presente, assegurando a continuidade e fortalecendo o espírito.

 

A ESCULTURA DA VIRGEM ENTRE O PASSADO E O PRESENTE

Antes da imagem que hoje preside a igreja do novo santuário, existia outra escultura (original) da Virgem de Meritxell, que foi preservada no antigo santuário de Santa Maria de Meritxell até o seu desaparecimento no incêndio de 1972.

A imagem hoje venerada é uma reprodução fiel da talha românica original, datada dos séculos XI e XII, considerada um dos exemplares mais antigos da época: com cerca de 83 cm e feita de madeira policromada, possuía uma expressão altamente estática e rústica.

A Virgem, que ostentava uma coroa de cinco flores e um véu branco com bordas ornamentadas, também usava no pequeno espaldar uma cavidade provavelmente destinada a guardar relíquias ou outros vestígios, seguindo o cânone da talha românica da época. A Virgem vestia uma túnica vermelha decorada com flores e estrelas, e uma capa azul que deixava as mãos visíveis.

A reprodução que hoje ocupa o seu lugar no templo é obra do artista andorrano Jaume Rossa. A escultura, cinzelada a partir de várias fotografias preservadas da imagem original, é igualmente estática e geométrica, desempenhando um papel de trono mais do que de mãe do menino Jesus. A escultura inclui as principais características das imagens marianas da época: a disposição da figura da Mãe, simbolizando a salvaguarda e proteção que dá aos seus filhos; os olhos, exageradamente realçados, imperfeitos e observadores, que expressam eternidade e espiritualidade; a desproporção intencional, que representa a realidade verdadeira e transcendente do que é divino; e, por último, os sapatos, que são tamancos típicos dos antigos agricultores da montanha.

A mensagem do artista é clara: a rainha dos céus e da terra é simples e humilde, e ama a todos por igual.

OUTRAS ESCULTURAS DO TEMPLO

Por último, no interior do templo também se podem observar outras esculturas, obras do escultor de Barcelona, ​​Sergi Mas, que representam os santos padroeiros das sete freguesias de Andorra, confirmando Meritxell como o santuário nacional de Andorra: Sant Serni de Canillo, Santa Eulàlia d’Encamp, Sant Corneli d’Ordino, Sant Iscle de La Massana, Sant Esteve de Andorra-a-Velha, Sant Julià de Sant Julià de Lòria e Sant Pere Màrtir d’Escaldes-Engordany.

A Virgem de Meritxell é a Padroeira do Principado; a sua festa é celebrada no dia 8 de setembro.

EXPOSIÇÕES E HORÁRIOS

Atualmente, o Santuário acolhe duas exposições permanentes: Meritxell Memória, um testemunho que reúne vários objetos e mostras de como era a igreja antes do fatídico incêndio que destruiu completamente o templo; e Bíblias do Mundo, uma segunda exposição patente no templo desde setembro de 2016, com um acervo em constante crescimento que conta atualmente com mais de 1200 exemplares, entre bíblias e novos testamentos, em diferentes idiomas, dialetos e suportes.

ORAÇÕES À VIRGEM DE MERITXELL

Descubra agora as orações à Virgem de Meritxell:

Meritxell do silêncio, ensina-nos a ouvir.
Meritxell da montanha, ensina-nos a admirar.
Meritxell das neves, ensina-nos a não mentir, a não nos mentirmos.
Meritxell da roseira brava, ensina-nos a alegria de dar e de nos darmos.
Meritxell dos narcisos, ensina-nos a doçura da vida.
Meritxell do céu limpo e do sol esplendoroso, mostra-nos a luz.
Meritxell, vizinha dos prados e das casas rurais, ensina-nos a simplicidade.
Meritxell do sofrimento, ensina-nos a orar.
Meritxell das crianças, ensina-nos a sorrir.
Meritxell da paz, ensina-nos a solidariedade.
Meritxell, Mãe dos Andorranos, ensina-nos a unidade.
Meritxell, Mãe de Deus, ensina-nos a amar.

AS FESTAS DE NOSSA SENHORA DE MERITXELL

O aumento progressivo da devoção e admiração pela Virgem ao longo dos séculos XIX e XX, bem como o estabelecimento de circunstâncias especiais de maturidade e internalização do sentimento nacional por parte do povo de Andorra, levaram o Conselho Geral dos Vales de Andorra, no dia 24 de outubro de 1873, a declarar oficialmente e por unanimidade a Virgem de Meritxell como Padroeira dos Vales de Andorra: "fica registado o facto de a Nossa Senhora de Meritxell ser considerada pelos Vales de Andorra como a sua padroeira e protetora especial desde tempos imemoriais".

 

No entanto, devido às dificuldades existentes entre Urgell e Andorra, foi só 40 anos depois que a Virgem de Meritxell foi reconhecida eclesiasticamente como padroeira do povo andorrano. O apoio continuado dos diversos bispos (co-príncipes de Meritxell), aliado a este fervor e tradição popular, permitiu ao bispo Joan Benlloch Vivóla solicitar, a 23 de agosto de 1913, a declaração canónica do Padroado da Virgem de Meritxell, realizado um ano depois pelo sumo pontífice da Santa Sé, o Papa Pio X. Feliz com a notícia e pretendendo dar solenidade ao momento, o Conselho decidiu que a 8 de setembro seria celebrada a Festa Nacional dos Vales, ou seja, as festas de Nossa Senhora de Meritxell.

Atualmente, todos os dias 8 de setembro o povo andorrano vive uma festa de união e concórdia, com a Virgem como protagonista absoluta. Tudo gira em redor de Meritxell, a virgem de todos. Desde muito cedo nesse dia, milhares de pessoas fazem a peregrinação ao santuário para se ajoelharem perante a Virgem, agradecendo e expressando o seu sentimento de alegria e entusiasmo.

Por último, é importante mencionar que o poder de atração de Meritxell é tão grande que este dia é marcado por vários eventos e celebrações (romarias, concertos, danças de sardana, eucaristias, provas de produtos típicos, etc…); as tradições e a festa enchem Meritxell inteira de alegria.

SERVIÇOS RELIGIOSOS

HORÁRIOS DAS MISSAS (NORMAIS):

Domingos, às 12h30.
Sábados e vésperas da Páscoa e de Todos os Santos, às 18h00.

MISSAS ESPECIAIS OU CONCRETAS:

(a combinar com o reitor do santuário)

Missas a pedido: Também quando uma família ou um grupo de peregrinos o solicitar.
Confissões: em todas as horas de acolhimento, no Santuário e na AINA

ENCONTROS ESPIRITUAIS:

Para os jovens, o Natal Jovem (terceiro domingo do Advento) e a Páscoa Jovem.
Para todos, "Diálogos em Meritxell", na terceira quinta-feira de setembro.
Quando solicitado por um grupo ou por peregrinos. Podem realizar-se numa das salas do Santuário ou na AINA.

Para descobrir tudo isto e muito mais, transfira o PDF da Basílica Santuário de Meritxell.

SANTUÁRIO DA ROTA MARIANA

A Basílica Santuário de Meritxell integra a Rota Mariana, um circuito que une os cinco santuários marianos: Pilar (Saragoça), Torreciudad (Huesca), Lourdes (França), Montserrat (Barcelona) e Meritxell (Principado de Andorra). É um itinerário de fé, pautado pela espiritualidade e pela devoção mariana, com uma grande riqueza turística, patrimonial, rural, gastronómica e natural, graças às características e à envolvência de cada santuário.

 

UMA ROTA QUE ACOLHE A PEREGRINAÇÃO

A Rota Mariana é atualmente uma das rotas de peregrinação mais visitadas e reconhecidas. Recebe cerca de 12 milhões de peregrinos anualmente, divididos entre os seus cinco santuários, o que reflete o atrativo e a importância que tem para peregrinos e turistas. A essência deste percurso reside no valor espiritual dos seus santuários e num legado histórico, patrimonial e natural de excecional importância. Os visitantes meramente turísticos são atraídos pelas belezas artísticas, arquitetónicas e naturais que encontram nos cinco santuários e no ambiente que os envolve, enquanto os peregrinos ou crentes vêm com objetivos religiosos para encontrar Deus e a si próprios.

Por outro lado, é importante sublinhar que muitas pessoas chegam como turistas mas partem como peregrinos.

O desenvolvimento das comunicações e dos meios de transporte, as novas e variadas propostas dos santuários, as atrações turísticas existentes em seu redor e o desenvolvimento do turismo como fenómeno de massas contribuíram para a existência de diversos itinerários religiosos atualmente.

Hoje em dia, cerca de 180 milhões de peregrinos viajam ao redor do mundo visitando diferentes lugares sagrados, santuários, centros de peregrinação ou itinerários religiosos. Individualmente, em família, em grupo, em romaria ou em peregrinação, qualquer forma é bem-vinda para se aproximar de um destes destinos marianos e prestar homenagem e adoração à imagem sagrada.

AINA

AINA é a resposta ao trabalho social que qualquer santuário deve cumprir. Nascida no Ano Internacional da Criança de Andorra, em 1979, é uma organização lúdica e educativa dirigida a crianças e jovens.

Com uma finalidade e objetivos muito claros e definidos, a principal função desta organização é acolher as crianças durante as férias e fins de semana, enquanto os pais trabalham. As crianças aprendem a conhecer e amar Andorra, a conviver com outras crianças, aprendem os valores humanos e cristãos do respeito, do esforço e da solidariedade, mas também a sensibilidade perante a beleza e a alegria. Por último, também aprendem a integrar-se com outras crianças de Andorra, ajudando especialmente na integração de outras crianças imigrantes. No entanto, a Aina não se limita a acolher crianças, pois a organização também possui vários edifícios que podem albergar famílias necessitadas.

Por outro lado, graças às esmolas que os devotos oferecem à Virgem de Meritxell, a AINA pode oferecer um preço reduzido para os acampamentos e criar bolsas de estudo para as crianças de famílias necessitadas. A associação forma ainda jovens para o voluntariado, que optam por passar as férias a ajudar na educação das crianças através do lazer; a Aina também investe durante na formação deste jovens durante o curso, capacitando-os para a realização deste serviço.

A AINA acolhe anualmente mais de dez mil pessoas, cuja estadia na pousada inclui uma peregrinação à Basílica Santuário de Meritxell através do Caminho Real. Em conjunto com o Santuário, realiza diversos eventos ao longo do ano, como as festas de outono ou primavera, a Páscoa Jovem, a peregrinação da juventude a Meritxell, ou a ação de graças de verão em La Borda de Meritxell, entre outros.

SAUDAÇÃO DO REITOR

Deus vos abençoe, amigos de Meritxell. Bem-vindo ao novo site do Santuário de Meritxell. Com a abertura deste portal dedicado ao nosso santuário, queremos abrir uma janela de modernidade para levar a mensagem da Padroeira de Andorra a todos os fiéis, devotos, peregrinos e visitantes, ao mesmo tempo que procuramos facilitar a aproximação à Virgem de Meritxell.

Meritxell, fiel ao seu nome, irá guiá-lo com uma luz esplendorosa ao longo do caminho. Ao chegar à porta do Santuário encontrará o seu "solar" como reza a melodia "Bela e clara Aurora / faz deste pico / das aldeias de Andorra / a Casa Senhorial". Um solar significa portas abertas e boas-vindas, como se encontra escrito nas antigas casas de Andorra "está em sua casa". Os turistas que nos visitam também são recebidos de forma fraternal, para que possam voltar como peregrinos.

Andorra foi sempre um país hospitaleiro. Sempre foi assim, mas mais ainda quando a Europa passou pela guerra que corrompeu a paz.

Meritxell, ícone de Andorra, faz gala do seu recebimento e "serviço" a todos os habitantes das sete paróquias andorranas. Prova disso é a peregrinação das paróquias de Andorra, no primeiro domingo de maio, e a de todos os imigrantes que encontram em Meritxell o espírito da sua integração no país sem renunciar às suas raízes. Prova disso é a peregrinação do povo português na véspera de 13 de maio, a Missa Rociera na festa de Pentecostes, a Missa Baturra no domingo mais próximo de 12 de outubro, assim como as sardanas de 8 de setembro no Grande Claustro, que serve de praça central.

A peregrinação ao Santuário de Meritxell implica um compromisso com a paz. Pedimos aos peregrinos: "Meritxell da paz, ensina-nos a solidariedade." A roseira brava de Meritxell acolhe a obra social, lúdica e educativa da Casa de Colónias AINA. As esmolas oferecida à Padroeira e Mãe de Andorra são inteiramente destinadas à crianças fragilizadas por problemas familiares, sejam emocionais, laborais ou de saúde. Sabemos que o amanhã depende dos nossos jovens de hoje. Por esse motivo, Meritxell assume o lema da AINA: "Investir na educação dos valores humanos e cristãos dos jovens".

Com grande gratidão e carinho, aproveito esta oportunidade para, em nome do Santuário de Meritxell, agradecer aos santuários irmãos de Pilar, Torreciudad, Lourdes e Montserrat por nos terem aberto os braços fraternais da Rota Mariana. Era um sonho que vinha de longe. Sempre ao lado dos peregrinos do nosso país dos Pirenéus, convidávamo-los a fazer uma peregrinação aos Santuários de Lourdes nos Pirenéus Atlânticos; Pilar de Zaragoza, o primeiro templo mariano do mundo; Montserrat, que com Meritxell conforma o percurso das "Doces M"; e Torreciudad, na terra que viu nascer São Josemaría Escrivá de Balaguer.

Atualmente, o itinerário de Pallerols del Cantó a Sant Julià de Lòria tornou-se uma rota de peregrinação. Obrigado, santuários irmãos!

Santuário, sinónimo de caminho. Meritxell fará o seu caminho com Pilar, Lourdes, Montserrat e Torreciudad, com plena consciência de que nossa caminhada já é a alegria de cantarmos juntos "A minha alma magnifica o Senhor!".

Monsenhor Ramón​​​​​

(Reitor de Canillo e do Santuário de Meritxell)

A CRUZ DE MERITXELL

A Cruz de Meritxell é um antigo cruzeiro situado no antigo caminho real que vai de Canillo a Meritxell, passando pelo centro de Prats.